a
HomeNotíciasEconomiaApós derrota na meta fiscal, governo enviará proposta orçamentária “fictícia” ao Congresso

Após derrota na meta fiscal, governo enviará proposta orçamentária “fictícia” ao Congresso

Um ano após sua efetivação no cargo, o presidente Michel Temer sofreu, nesta madrugada (31), sua principal derrota no Congresso Nacional: a revisão da meta fiscal. A sessão caiu por falta de quórum às 3h40 após 11 horas de muita discussão, manobras regimentais e troca de acusações. Os governistas conseguiram aprovar o texto-base do projeto de lei (PLN 17/2017) que revê a meta fiscal e permite ao Executivo aumentar o deficit primário (diferença entre receitas e despesas) de R$ 139 bilhões para R$ 159 bilhões este ano. Esse mesmo rombo nas contas públicas também estava fixado na proposta para 2018.

 Mas faltou parlamentar para aprovar os destaques e concluir a votação. O governo tem até hoje para enviar ao Congresso a proposta orçamentária para o próximo ano. Para elevar a previsão de rombo, precisava aprovar a revisão da meta fiscal até o início desta quinta. O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), admitiu que o governo enviará um projeto de lei orçamentária “fictício”, com estimativa de deficit de R$ 129 bilhões para 2018. Na prática, a equipe econômica terá de fazer um corte de R$ 30 bilhões nas despesas previstas na proposta.

Os dois destaques restantes devem ser votados na próxima terça-feira. Jucá tentou minimizar a derrota e disse que o problema será contornado com uma retificação na proposta orçamentária, o que pode ocorrer até dezembro.

Cansaço e plano B

“Não foi uma derrota do governo, foi uma derrota para o cansaço. Muitos deputados, 30, 40 deputados não conseguiram chegar, e faz parte do jogo. Foi uma obstrução legítima, não podemos tirar o mérito da oposição, mas não é nada que crie qualquer problema para o governo. Pelo contrário, na próxima semana, vamos votar aqui”, declarou. “Votada na terça, o presidente da República sanciona e, a partir da sanção, o governo vai ver como ajusta à nova meta sancionada. Manda um ajuste ao Orçamento, porque até a votação do relatório final é possível mandar uma correção, acrescentou Jucá.

A derrota do governo começou a se desenhar na votação do texto-base. Utilizando-se de manobras regimentais, a oposição conseguiu protelar a sessão. Diante da falta de quórum, senadores que já estavam em casa foram chamados a comparecer ao plenário, o que garantiu a vitória parcial do Planalto.

Eunício chegou a colocar a matéria em votação simbólica e anunciar aprovação, sem contabilidade de votos e com o painel de votação fechado. Mas, depois que um grupo de senadores reclamou dos procedimentos aos gritos, o presidente do Congresso, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), recuou e decidiu seguir o regimento, que previa votação nominal.

“Vossa Excelência é tão desqualificado para conduzir o Congresso que fica debochando sem querer ouvir opiniões contrárias às suas”, já havia dito da tribuna o deputado Henrique Fontana (PT-RS), dirigindo-se a Eunício antes do tumulto. “Quem ficar amarrado com Temer até o final, no governo mais impopular da história do país, vai cair com ele!”, emendou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ). “É lamentável o que está acontecendo aqui. É uma vergonha o Senado ter um presidente de sua estirpe”, reclamou o deputado Pastor Eurico (PHS-PE).

Aprovado o texto-base, os governistas derrubaram três dos cinco destaques apresentados pela oposição. Mas não alcançaram o quórum mínimo de 257 dos 513 deputados para seguir com a votação. Líderes da base tentaram, sem sucesso, retirar da cama aliados para garantir o número exigido. A sessão foi encerrada pelo presidente do Congresso após uma espera de quase uma hora.

Rombo agravado

A gravidade da situação das contas públicas foi reforçada na última terça-feira (29), quando a Secretaria do Tesouro Nacional informou que as contas do governo federal registraram deficit primário de R$ 20,1 bilhões em julho. Trata-se do maior rombo entre receita e despesas para meses de julho em 21 anos, a considerar o início da série histórica, em 1997.

O número negativo significa as despesas da gestão Michel Temer superaram em muito as receitas em julho, mesmo com reajuste de impostos e contribuições como a dos combustíveis, gerando o resultado negativo. Não estão incluídas nessa conta as despesas, para efeito do cálculo de deficit primário, com pagamento de juros da dívida.

Entre janeiro a julho, informa o Tesouro, as contas governamentais alcançaram deficit de R$ 76,27 bilhões, também é o pior resultado para o período nos últimos 21 anos. O mau desempenho das contas públicas, explica o órgão financeiro, é consequência da recessão econômica e se reflete na arrecadação, mais baixa do que tem sido previsto pela equipe econômica.

  • Capa: Eunício e Jucá tentaram concluir a votação na madrugada, mas faltou deputado|Foto: Marcelo Camargo, ABr

Fonte: Edson Sardinha, Congresso em Foco

Share With:

andrade@sintrafesc.org.br

Sem comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.