a
HomeNotíciasBolsonaro anuncia envio de reforma Administrativa em dia de Jornada de Lutas

Bolsonaro anuncia envio de reforma Administrativa em dia de Jornada de Lutas

Proposta deve ser enviada na quinta, 3, ao Congresso. Presidente informou que reforma deve se aplicar a futuros servidores, mas Guedes articula PEC que pode reduzir salários em até 25%. Jornada de luta debate unidade contra ataques a setor público

 

O presidente Jair Bolsonaro anunciou hoje, 1o, que uma proposta de reforma Administrativa deve ser enviada ao Congresso Nacional pelo governo nessa quinta-feira, 3. A data coincide com o lançamento de uma Jornada de Lutas Unitária em defesa dos serviços públicos. O ato virtual acontece a partir das 18 horas e vai contar com a participação de representantes sindicais e parlamentares. A atividade será transmitida ao vivo pelas redes sociais de várias entidades, incluindo a Condsef/Fenadsef. A mobilização e participação da categoria são essenciais para barrar avanços dos ataques ao Estado brasileiro e contra retirada de direitos do funcionalismo. 

Bolsonaro informou que a reforma não deve afetar atuais servidores, mas o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem articulado uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que pode reduzir salários em até 25%. “Com o argumento falho de uma suposta necessidade de economia do Estado em tempos de pandemia, o governo quer encerrar serviços públicos para dar espaço para a iniciativa privada. É um ataque inconstitucional, mas que atropelará a população se ela não se mobilizar para proteger o que é seu por direito”, alerta Sérgio Ronaldo da Silva, secretário-geral da Condsef/Fenadsef.

Executivo e Legislativo estão se alinhando e declarações já dadas pelos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, mostram que o trabalho de pressão e mobilização dos servidores terá que ser intenso. Contando com a narrativa de “servidores privilegiados” o governo aposta no apoio necessário da maioria dos parlamentares. Desmistificar os mitos em torno do setor público também é determinante nessa luta. Nessa quarta, 2, o secretário-geral da Condsef/Fenadsef, e o economista da subseção do Dieese na entidade, Max Leno de Almeida, participam de live da CUT-RS que vai debater a reforma Administrativa do governo Bolsonaro e os ataques ao setor público. 

Poço profundo

Barrar a reforma Administrativa é um desafio, mas não é o único. Derrubar a Emenda Constitucional (EC) 95/16 do teto de gastos, que congela investimentos públicos por 20 anos, segue sendo determinante para destravar a crise econômica brasileira. Não são poucos os especialistas que apontam a urgência do fim do EC 95. Centenas de economistas assinaram manifesto pela revogação do teto de gastos, entre eles Max Leno de Almeida, da subseção do Dieese na Confederação. O manifesto ressalta que, após as quedas do PIB em 2015 e 2016, o teto contribuiu para o enorme desemprego e para a mais lenta recuperação na história da economia brasileira

Além disso, o risco de uma PEC que reúna proposta do “Renda Brasil” com a redução de salário dos servidores é real. A “Super PEC” conta com forte articulação de Paulo Guedes que já chamou servidores públicos de “parasitas” e “inimigos”, conseguindo até mesmo congelar salários de servidores que estão atuando na linha de frente do combate à Covid-19 no Brasil. 

A Jornada de Lutas Unitária deve culminar com um ato nacional no dia 30 de setembro em defesa dos servidores e serviços públicos. Acompanhe as movimentações e não deixe de participar de todas as atividades programadas. 


  • Capa: Reprodução, Revoga o Teto

Fonte: Condsef/Fenadsef

Share With:

andrade@sintrafesc.org.br

Sem comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.