a
HomeNotíciasCondsef/FenadsefEmpresa empurra negociações de ACT da Conab para janeiro

Empresa empurra negociações de ACT da Conab para janeiro

Bancada sindical buscou entendimento, mas sem consenso retomada de negociações fica para ano que vem. Trabalhadores devem seguir discutindo cenário e se preparando para o período

 

Em reunião que aconteceu nessa quinta-feira, 14, a Conab informou à Fenadsef, Fisenge e Asnab-CNTC a rejeição de mais uma proposta apresentada pelos empregados e as negociações do ACT foram transferidas para janeiro. As tentativas de consenso buscadas pela bancada sindical não foram suficientes e a mesa não conseguiu sair de um impasse criado pelo próprio governo. Desde novembro, quando foi feita a primeira rodada de negociações do ACT, o governo, por meio da SEST, secretaria ligada ao Ministério do Planejamento, vem demonstrando postura intransigente frente às demandas mais urgentes dos empregados.

Numa conjuntura muito difícil, a bancada sindical buscou diversas alternativas. As entidades sinalizaram possibilidade de assinar acordo mantendo as cláusulas sociais do ACT atual e a legislação trabalhista em vigor na data-base (1º de setembro). Nesse caso, apenas o índice de reposição de perdas dos empregados seria levado a dissídio no Tribunal Superior do Trabalho (TST). A SEST negou.

As entidades ainda levantaram a possibilidade de acordo com base apenas no IPCA 2016-2017 deixando perdas históricas para discussão posterior. Nesse caso, haveria compensação na concessão de mais dois vales refeição. Novamente, a SEST negou. Numa terceira tentativa de consenso as entidades levantaram a possibilidade de postergar reajuste com base no IPCA para mês posterior a data base da categoria. Hipótese também negada pela SEST.

A única alternativa oferecida pelo governo foi discutir um insignificante percentual de reposição de perdas desde que os trabalhadores da Conab pagassem um “pedágio”: teriam que concordar em abrir mão de cláusulas já asseguradas no ACT atual. A redução de direitos já conquistados é algo que a categoria não irá aceitar.

A categoria não vai aceitar alegações de falta de recursos enquanto milhões de reais em isenções fiscais são concedidos a poderosas multinacionais. Nem vai aceitar passivamente a retirada de direitos imposta pela contra-reforma trabalhista. Há que se combater também a desculpa dos “limites orçamentários” da Emenda Constitucional 95, que o próprio governo impôs para destruir os serviços públicos brasileiros.

Frente as desculpas que o governo alimenta para negar todas as possibilidades apresentadas na mesa de negociação resta a necessidade de ampliar e fortalecer a organização da categoria. Assembleias e reuniões devem ser realizadas nos estados para discutir o cenário e alternativas de caminhos a adotar na defesa das reivindicações dos empregados da Conab.

 

Fonte: Condsef/Fenadsef

Share With:

andrade@sintrafesc.org.br

Sem comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.