a
HomeNotíciasGoverno atua como empresa privada e provoca perdas, dizem Verbicário, Gradvohl e Spada

Governo atua como empresa privada e provoca perdas, dizem Verbicário, Gradvohl e Spada

Não assumiu seu papel na pandemia

Abandona classe média e empresas

Esforço fiscal não dará retorno

A crise atual é única e gravíssima. Diante dessa conjuntura, é consenso que medidas usuais não resolverão o problema. E observa-se que muitos países inundam suas economias de dinheiro com o objetivo de amortecer a crise econômica.

A fórmula é praticamente a mesma: o Estado fecha as atividades econômicas não essenciais para que as pessoas fiquem em casa até que a pandemia passe. Em contrapartida, compensa pessoas e empresas por esse fechamento. Ou seja, o Estado assume o problema. Não há discussão quanto à necessidade imediata de garantir a tranquilidade da população com uma forte política monetária expansionista.

No Brasil, na prática, isso não ocorreu. Vamos aos fatos:

O governo, nessa situação extrema, liberou efetivamente em créditos pouco mais de US$ 5 bilhões para micro e pequenas empresas. Contudo, em 2019 o valor no mesmo período foi de US$ 7 bilhões. Ou seja, houve redução do crédito. Em comparação, os EUA liberaram US$ 478 bilhões para o mesmo perfil de empresas, cerca de 95 vezes o valor liberado pelo Brasil.Foi praticamente ignorado o fato de que a classe média também sofre com a crise, presumindo que ela teria condições para enfrentar o problema sozinha. O auxílio emergencial foi dado a famílias com renda média per capita de até R$ 522,50, ou seja, cerca de 36% da renda média per capita do brasileiro. Ao passo que, nos EUA, o auxílio foi dado com o limite de 159% da renda per capita local, contemplando a classe média.O valor do auxílio mensal no Brasil é capaz de comprar 1,16 cestas básicas em São Paulo, ao passo que, nos EUA, o valor do auxílio adquire, em média, 9,5 cestas básicas locais.

O governo federal não tomou para si solucionar a crise financeira de seu povo. As consequências são desastrosas: mais gente desrespeita a quarentena, famílias inteiras passam necessidade, as mortes aumentam. Empresas se desmontam e a retomada econômica demorará ainda mais.

Aproveitando o fato de que boa parte da população não tem ciência de que a União dispõe de ferramentas eficazes para gerar recursos e compensar a queda na renda de pessoas e empresas, o governo tenta jogar a fúria do povo contra quem não teve a renda diminuída como, por exemplo, o servidor público.

Em vez de deixar toda a população tranquila para respeitar o isolamento e garantir as empresas vivas e prontas para a retomada, o governo federal opta por culpar os seus gastos, quando governos do mundo todo expandiram as suas despesas.

Congresso Nacional toma a iniciativa para amenizar a situação. Porém, o governo federal se faz de vítima e leva parte da população brasileira a acreditar que há uma grande conspiração que une congresso nacional, STF, Estados, municípios e meios de comunicação, com objetivo de derrubar o Poder executivo nacional.

Ao que tudo indica, uma mistura entre “pirraça” política e a atuação como se empresa privada fosse estão fazendo o governo federal virar de costas para a população brasileira. Sim, o governo federal está se comportando como se fosse uma organização privada em que sua maior prioridade é o resultado financeiro. Afinal, se salvar vidas, manter o poder de compra da classe média e ajudar as pequenas empresas que empregam 55% da população não dá bom retorno financeiro, por qual motivo o país precisa gastar com isso?

Porém, ainda que o objetivo fosse o melhor resultado financeiro, a estratégia mais adequada não seria essa. O Real teve perda de 29% ante o dólar em 2020, o pior resultado entre países emergentes, denotando que o mercado desconfia da capacidade brasileira de sair da atual crise econômica, já que aqui temos, além dos efeitos do isolamento, a crise política e o desmantelamento das empresas e famílias pela falta de proteção do Estado.

Essa combinação explosiva irá prolongar a queda na arrecadação estatal e a piora do resultado fiscal. Ou seja, a tentativa de proteger o resultado fiscal hoje irá provocar um maior déficit nos meses seguintes.

Por mais que se ignore a questão de saúde pública e seja forçada uma reabertura rápida da economia, será demorado atingir o patamar anterior de consumo. Essa demora poderia ser abreviada se o governo não abandonasse o seu povo.

Em resumo, estamos trocando a saúde e a tranquilidade financeira das pessoas e empresas por um esforço fiscal sem efeitos benéficos.


 

Fonte: Poder 360C/Pública

Share With:

andrade@sintrafesc.org.br

Sem comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.