a
HomeNotíciasManifestaçõesMaioria dos federais vota participação em Greve Geral em plenária nesse sábado

Maioria dos federais vota participação em Greve Geral em plenária nesse sábado

Servidores entregaram nessa sexta pauta de reivindicações no Ministério da Economia e cobraram abertura efetiva de negociações. Civis não estão na previsão orçamentária de 2020. Situação preocupa

 

Há uma semana da Greve Geral da classe trabalhadora convocada pelas centrais sindicais, o Fonasefe protocolou mais uma vez a pauta de reivindicações dos servidores federais no Ministério da Economia. A categoria cobra a abertura efetiva de negociações e está preocupada com a exclusão do setor no orçamento da União de 2020, anunciada pelo governo. Entre as demandas mais urgentes da maioria do Executiva está a luta pela equiparação da contrapartida paga pelo governo nos planos de saúde dos servidores e seus dependentes. Hoje, cerca de 80% das mensalidades dos planos de autogestão como Geap e Capsaúde recai sobre os bolsos dos servidores. A situação tem afetado a categoria.

Muitos optam por abandonar os planos, os que ficam reclamam que quase todo o salário fica comprometido com o pagamento da assistência à saúde. “Essa correlação de forças precisa no mínimo ser revista pelo governo. Com salário congelados há mais de dois anos e reajustes sucessivos nos valores dos planos a situação financeira de muitos está cada vez mais difícil”, relatou Rogério Exepedito, diretor da Condsef/Fenadsef. A entidade esteve nessa sexta-feira em frente ao Ministério da Economia onde o Fonasefe protocolou novamente a pauta do setor público e um pedido de abertura de negociações efetivas.

Nesse sábado, 8, a Condsef/Fenadsef realiza plenária nacional da maioria do Executivo onde a categoria deve votar participação na Greve Geral da classe trabalhadora na próxima sexta, dia 14. Além da pauta específica que também envolve outros itens, como luta por uma data base e reposição de perdas salariais, os federais devem aderir à greve em defesa da Previdência Pública, contra a PEC 6/09 da reforma. Cerca de 38% das emendas apresentadas à PEC dizem respeito aos servidores que se preocupam com regras de transição e cobrança abusiva de alíquota. A redução dos valores de pensão por morte também é alvo de protestos dos servidores.

A categoria tem sido alvo constante de ataques do governo, seja por cortes orçamentários, seja por ataque a direitos adquiridos. As políticas de Estado mínimo priorizadas pelo governo, somadas à Emenda Constitucional (EC) 95/16, constroem um cenário preocupante. Até mesmo o presidente da Câmara dos Deputados deu declaração recente dizendo que o setor público brasileiro pode enfrentar um colapso em breve. Não é de hoje que a Condsef/Fenadsef vem denunciando o problema.

Alerta vem de fora

Essa semana a Condsef/Fenadsef deu destaque para alerta feito pelo secretário-geral da intersindical estrangeria, Arménio Carlos, que deu exemplo dos problemas que a falta de recursos humanos tem causado em Portugal. De acordo com Arménio, pensões de velhice, invalidez e morte têm demorado mais de ano para serem pagas aos cidadãos que têm direito. A situação estrangeira é preocupante e fortalece a resistência no Brasil, que se opõe aos discursos defendidos por Paulo Guedes e sua equipe, de que a solução para a crise econômica reside especialmente na dispensa de servidores públicos federais.

Nos próximos cinco anos, quase metade dos servidores públicos ativos devem se aposentar. Nesta semana, durante audiência sobre a Reforma da Previdência na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados, o ministro Paulo Guedes novamente fez declaração pelo desmonte do Estado, anunciando suspensão de concursos públicos para “desinchar” o governo.

STF, privatizações e a redução de salários

Nessa quinta, 6, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a venda de subsidiárias e controladas de empresas públicas não necessita de autorização legislativa nem de licitação, desde que siga procedimento que observe os princípios da administração pública. Entretanto, a decisão não vale para alienação de empresas-matrizes, que ainda dependem da aprovação do Congresso e de processo licitatório.

O resultado da votação é avaliado pela Condsef/Fenadsef como perda da soberania nacional e empobrecimento da nação, tendo-se em vista que facilita a privatização e a capitalização de subsidiárias de estatais. Em maio, o Ministério da Economia, por meio da Secretaria Especial de Desestatização e Desinvestimento, anunciou programas de demissão voluntária (PDV) em sete estatais federais, entre elas Petrobras, Correios, Infraero e Embrapa.

A Condsef/Fenadsef que tem em sua base cinco estatais (Ebserh, Valec, Imbel, Conab e Ceasa-MG) volta a criticar a postura do governo que concentra esforços na asfixia e desmonte do setor público, setor onde o investimento é fundamental para auxiliar na saída da crise que só tem se agravado no Brasil.

Outra ação que é alvo da atenção dos servidores no STF foi adiada na pauta dos ministros e trata da constitucionalidade de artigos da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que cria normas para a gestão fiscal no setor público. Entre os trechos está o artigo 23 da lei, que permite a redução dos salários de servidores.

Caos público prejudica País

“O Brasil é um dos países que menos têm servidores públicos federais proporcionalmente à população, mas mesmo assim quer extinguir a categoria. Sabe por quê? Porque somos nós que protegemos o patrimônio público e zelamos pelo interesse da nação quando entram governantes querendo se aproveitar das riquezas do nosso País”, explica Sérgio Ronaldo da Silva, Secretário-geral da Condsef/Fenadsef. “Somos os guardiões dos direitos do povo. O exemplo de Portugal mostra claramente isso. Sem servidores, cidadãos sequer conseguem receber as pensões a que têm direito”.

Sérgio comenta que a desvalorização do serviço público culminou em uma situação crítica no Brasil, que se traduz na ausência de assistência e em atendimentos precários. “Mas isso não é culpa do servidor. É culpa do governo que não faz os investimentos necessários. E se o governo não faz, não é o setor privado que fará. Os crimes da Vale comprovam isso. Não existe empresário solidário que atenderá bem todo mundo sem cobrar caro. Vão cobrar muito e mesmo assim não vão suprir as necessidades básicas da população. Isso é dever do Estado. Se este governo não faz, outro tem que fazer”, afirma.

 

  • Capa: Cristiano Porfirio, Sindsep-DF

Fonte: Condsef/Fenadsef

 

 

Share With:

andrade@sintrafesc.org.br

Sem comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.