a
HomeGovernoNo governo Bolsonaro, número de fiscais do Ibama despencou. Desmatamento dispara

No governo Bolsonaro, número de fiscais do Ibama despencou. Desmatamento dispara

Em relação ao último ano de Lula, 2010, queda é de 55%; com fiscalização reduzida, desmatamento avançou 34% em 2020

O número de fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais (Ibama) despencou de 1.311, em 2010, para 591, em 2019, uma redução de 55%. Agora, em 2020, houve um incremento de 103 servidores cocontratados pelo órgão para fiscalização, chegando a 694, mas ainda 47% menor em relação ao início da última década.

Verificar a redução no número de fiscais do Ibama foi possível via Lei de Acesso à Informação (LAI), através do coletivo Fiquem Sabendo e mostra que a queda coincide com o aumento do desmatamento no país, durante o governo de Jair Bolsonaro (sem partido). Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) revelam que entre agosto de 2019 e julho de 2020, houve um aumento de 34% no número de queimadas no país, em relação ao mesmo período do ano anterior.

O sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), que pertence ao Inpe, aponta que no primeiro semestre de 2020, 3.069,57 km² foram desmatados da Amazônia. Um aumento de 25% em relação ao mesmo período de 2019. Somente em junho, 1.034,4 km² da Amazônia foi desflorestada, o maior registro desde 2015

No último ano de governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), 2010, o número de fiscais era de 1.311. Desde então, começaram as reduções nos quadros do Ibama. Em 2011, já sob comando de Dilma Rousseff (PT), um recuo de 4,6%, caindo para 1255.

As reduções tímidas são mantidas ano a ano até 2019, quando o país é presidido por Michel Temer (MDB), e a queda, em relação a 2018, chega a 16,13%, caindo de 930 para 780 fiscais.

No primeiro ano do mandato de Bolsonaro, 2019, o Ibama assiste outra queda dramática no número de fiscais, 24,23%. De 780, o Ibama passa a contar com apenas 591 servidores para vigiar todo o território nacional.

Insuficiente

Raoni Rajão, professor do Departamento de Engenharia de Produção da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), lamenta que o Brasil tenha recuado de índices positivos conquistas no começo do século. “A redução de mais de 80% que vimos entre 2004 e 2012 [na redução do desmatamento na Amazônia] foi resultado de dois fatores principais: criação de unidades de conservação em áreas chave, e aumento da capacidade do Estado de implementar a legislação ambiental. Essas ações de comando e controle foram viabilizadas pela contratação de centenas de fiscais, e o desenvolvimento de novos sistemas de monitoramento pelo Inpe”.

O docente alerta que desde 2014 o Ibama não realiza concursos para a contratação de servidores e que “o aumento do desmatamento é consequência do enfraquecimento do Ibama e outros órgãos de controle desde então.”

“Apesar dos ganhos tecnológicos que tivemos nos últimos anos, o número de fiscais atualmente no IBAMA é claramente insuficiente. Temos um país continental, e mesmo com o CAR (Sistema de Cadastro Ambiental) e a capacidade de monitoramento fornecida pelo Inpe muitas ações precisam ser realizadas no chão. São particularmente críticas as ações em terras indígenas e unidades de conservação, onde o desmatamento explodiu nos últimos anos”, finaliza Rajão.


  • Capa: Ibama

Fonte: Brasil de Fato

Share With:

andrade@sintrafesc.org.br

Sem comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.