a
HomeNotíciasIbamaO pior ainda está por vir

O pior ainda está por vir

Leia relatório sobre o desmonte ambiental do ano 1 da era Bolsonaro e as perspectivas para os próximos três anos

 

DO OC – O Observatório do Clima lançou neste sábado, na COP25, em Madri, o relatório “The worst is yet to come” (“o pior ainda está por vir”), sobre o desmonte ambiental na era Bolsonaro.

Compilando dados oficiais e informações sobre as propostas de políticas socioambientais do governo, o documento faz um alerta a investidores e a parceiros comerciais do Brasil: há uma tentativa em curso de legalizar o que hoje é ilegal – portanto, a barra de exigências de sustentabilidade e direitos humanos precisa subir.

Entre os destaques do relatório estão:

•    O número de multas do Ibama lavradas entre janeiro e novembro foi o menor em 15 anos: 10270, contra mais de 13000 no ano passado.

•    O desmatamento na Amazônia é o maior em uma década: 9.762 km2. O número de autos de infração por desmatamento é o menor desde 2004.

•    O desmatamento em terras indígenas subiu 65%.

•    De janeiro a setembro de 2019 foram registrados 160 invasões em 153 terras indígenas. Em todo o ano de 2018 houve 111 invasões em 76 terras.

•    30 pessoas foram assassinadas em conflitos no campo de janeiro a novembro de 2019, aponta levantamento da Comissão Pastoral da Terra (CPT). Apenas na segunda semana de COP três indígenas guajajara foram assassinados.

•    E o pior ainda está por vir. O governo e seus aliados no Congresso planejam para 2020 uma investida contra a legislação ambiental e social: flexibilização do licenciamento, garimpo e soja em terras indígenas e fim da moratória da soja, com prejuízos ainda maiores para a imagem e a inserção internacional do Brasil.

Baixe aqui o documento (em inglês)

  • Capa: Valter Campanato, Agência Brasil

Fonte: Observatório do Clima

Share With:

andrade@sintrafesc.org.br

Sem comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.