a
HomeNotíciasEconomiaParlamento Europeu sugere rejeição de acordo com Mercosul

Parlamento Europeu sugere rejeição de acordo com Mercosul

Pela 1ª vez, a maioria dos membros do Parlamento Europeu se posicionou contra a aprovação do acordo comercial com o Mercosul. Isso se deu ontem (7/10), a partir da votação de uma emenda a um relatório sobre política comercial do bloco, que incluiu a observação – aprovada pelos parlamentares – de que “o acordo UE-Mercosul não pode ser ratificado na sua forma atual”.

A emenda original mencionava preocupação com a política ambiental implementada por Jair Bolsonaro no Brasil, mas uma articulação de partidos de direita e de extrema-direita conseguiu derrubar essa citação no texto aprovado. A votação não significa um veto ao acordo com o Mercosul – já que o texto ainda não foi oficialmente apresentado ao Parlamento Europeu – mas é uma sinalização relevante, já que indica que a maioria dos eurodeputados não está disposto a aprová-lo.

Um dia antes, o Greenpeace Brasil e a ONG Fase apresentaram um relatório sobre os impactos potenciais da implementação do acordo Mercosul-UE sobre os Direitos Humanos e o meio ambiente na América do Sul. Destacado pelo Valor, o documento sugere que a intensificação das trocas comerciais resultará em mais pressão sobre biomas como Amazônia, Cerrado e Chaco, além de ampliar os riscos de contaminação por agrotóxico e intensificar conflitos fundiários com populações tradicionais.

FolhaValor e Veja repercutiram a decisão do Parlamento Europeu.

Em tempo: Segue o tiroteio diplomático entre Brasil e Reino Unido, motivado pela disposição do governo britânico em impor regras mais rígidas para impedir a entrada de produtos associados ao desmatamento ilegal em seu mercado. Em reação a pressão de grandes empresas em favor do endurecimento desses critérios, um porta-voz do gabinete de Boris Johnson afirmou que o Brasil tem as leis necessárias para proteger a floresta e evitar a contaminação de cadeias de commodities por produtos decorrentes de crimes ambientais – basta que o próprio governo brasileiro as aplique. Folha e Valor também informaram sobre a fala do porta-voz britânico.

 

ClimaInfo, 8 de outubro 2020.

 

Share With:

andrade@sintrafesc.org.br

Sem comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.