a
HomeNotíciasMeio AmbienteRuralistas usam seu voto para fazer um “balcão de negócios” no Congresso

Ruralistas usam seu voto para fazer um “balcão de negócios” no Congresso

Parlamentares apoiam projetos que beneficiam suas empresas em detrimento de direitos sociais e ambientais, diz ONG

 

Um relatório da organização não governamental Amazon Watch destrinchou como políticos da bancada ruralista usam a plenária do Congresso Nacional para beneficiar seus negócios com empresas e banqueiros nos EUA, Europa e Japão.

O dossiê, em inglês, traz o perfil de seis parlamentares, sendo que cinco concorrem às eleições neste ano: os candidatos a deputado federal Alfredo Kaefer (PP-PR) e Nelson Marquezelli (PTB-SP); e os candidatos ao senado Sidney Rosa (PSB-PA), Jorge Amanajás (PPS-AP) e Adilton Sachetti (PRB-MT).

Feito em parceria com a iniciativa De Olho nos Ruralistas, o relatório Cumplicidade na Destruição foi lançado nesta terça-feira (11). O documento pontua ações de parlamentares, com base em interesses próprios, que violam direitos sociais e ambientais, como explica o pesquisador do grupo, Bruno Bassi. 

“A questão que a gente coloca é quem esses políticos vinculados à bancada ruralista realmente representam; se eles estão representando interesses públicos ou privados, de grupos empresariais familiares ou de financiadores de campanha”, afirma.

Marquezelli, por exemplo, mantém negócios com grandes empresas como Cutrale, Coca-Cola e Schweppes. Conhecido como “deputados das laranjas”, ele tem histórico de apoiar projetos anti-indigenistas, como a Proposta de Emenda Constitucional 215, que propõe que o Congresso Nacional dê a palavra final sobre a demarcação de terras no país.

Ele também já encaminhou ao Congresso um projeto para tornar o suco de laranja “bebida oficial do governo federal”, obrigatória em cerimônias oficiais e merendas escolares. Ele é um dos maiores exportadores do produto no país. 

Já Amanajás, ligado à cadeia produtiva do eucalipto no estado do Amapá, mantém relações empresariais com a empresa Amapá Florestal e Celulose (Amcel) – empresa que fez lobby para delinear o Novo Código Florestal. Em 2005, o deputado foi denunciado por grilagem de terras da União ocupadas ilegalmente pela companhia.

O assessor parlamentar Nilton Tubino, especializado em questões agrárias, afirma que a bancada ruralista usa o espaço institucional como “um grande balcão de negócios”. 

“A atuação da bancada, independente dos nomes, é muito coesa nos seus interesses. E, dentro disso, a defesa do interesse da indústria, da mineração e outros setores do agronegócio”, avalia.

Ele pontua que, após Michel Temer (MDB) assumir a Presidência, em 2016, os parlamentares conseguiram ampliar atuação institucional, indicando nomes em órgãos como o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e a Fundação Nacional do índio (Funai). Além de ocupar cadeiras em comissões parlamentares estratégicas.

“Os processos de reforma agrária, demarcação indígena e quilombola começa a ser trancada. Muitas vezes, eles nem precisam votar o que queriam no Congresso porque conseguem até mesmo operar por dentro da máquina”, avalia Tubino.

Tubino também lembra de conquistas dos ruralistas no período, como a sanção da MP 759, que ampliou para até 2,5 mil hectares o tamanho áreas contínuas maiores possam ser regularizadas – o que também beneficia os que atuam no ramo do agronegócio.

Cadeia exportadora

Das 112 empresas citadas no relatório e que negociam com ruralistas, quase um terço são dos Estados Unidos. “A abordagem [do relatório] é inédita por trazer esse ponto de vista do consumo: quem são as empresas que compram de políticos ruralistas ou que financiam políticos ruralistas no Congresso”, pontua Bassi.

O relatório recomenda “fiscalização criteriosa” das ligações entre empresas com práticas questionáveis e a bancada ruralista. Atualmente, o bloco reúne mais de 230 deputados e senadores ligados ao agronegócio no Congresso Nacional — ou seja, quase 40% dos parlamentares.

Além dos cinco deputados, o relatório da Amazon Watch também traz o perfil Dilceu Sperafico (PP-PR), que não está na disputa eleitoral neste ano.

 

  • Capa: O deputado Nelson Marquezelli, conhecido como “deputado das laranjas”, já propôs que suco da fruta virasse “bebida oficial” do país/Foto: Ascom
  • Edição: Diego Sartorato

Fonte: Rute Pina, Brasil de Fato

Share With:

andrade@sintrafesc.org.br

Sem comentários

Deixe um comentário