a
HomeNotíciasSemana de atividades em defesa dos serviços públicos começa com audiência que lotou auditório Nereu Ramos

Semana de atividades em defesa dos serviços públicos começa com audiência que lotou auditório Nereu Ramos

Nessa terça, caravanas de todo Brasil chegam para ato na Praça dos Três Poderes

 

A Condsef/Fenadsef participou nessa segunda-feira de audiência pública que lotou o auditório Nereu Ramos na Câmara dos Deputados. Com o tema “Que Serviço Público Queremos” os participantes provocaram debates importantes promovendo reflexão dos reflexos nefastos da política de Estado Mínimo conduzida por este governo ilegítimo. A Emenda Constitucional (EC) 95/16, que congela investimentos públicos pelos próximos vinte anos, esteve no centro das discussões. Sua revogação é encarada como única chance capaz de promover uma reação na crise econômica e social em que o Brasil está mergulhado desde a concepção e execução do golpe que afastou a presidenta legitimamente eleita. A necessidade de organizar a classe trabalhadora continua em destaque. Entidades reunidas apontam o dia 5 de dezembro como mais um dia de lutas contra ataques aos direitos.

Nessa terça, 28, os dois principais fóruns (Fonasefe e Fonacate) que reúnem servidores federais promovem um ato na Praça dos Três Poderes em defesa dos serviços públicos com caravanas de todo Brasil. Mais de 5 mil devem participar da atividade. Além da caravana, as entidades participam de uma agenda de atividades que inclui a entrega de ações coletivas ao Supremo Tribunal Federal (STF) no dia 29. As entidades devem entregar um memorial no Supremo questionando a constitucionalidade da EC 95/16. A MP 805/17 que aumenta alíquota previdenciária para servidores públicos de 11% para 14% também será questionada.

Campanha contra servidores – O governo ilegítimo está em uma ofensiva contra os serviços públicos que ganhou novo capítulo com a divulgação de campanha que para defender a nefasta reforma da Previdência ataca o que chama de “privilégios” dos servidores. A campanha teria custado R$20 milhões e em cerca de um minuto reduz e simplifica a ideia de que a reforma é necessária. Esse reducionismo é perverso e só serve para tentar vender uma ideia mentirosa com intuito de obter apoio da sociedade para aprovação de mais retirada de direitos da classe trabalhadora.

É preciso estar atento a essas armadilhas e garantir a construção cada vez maior de unidade, pois está claro que é a desunião que estão pregando para facilitar essa retirada de direitos. Não podemos e não vamos permitir isso.

 

Fonte: Condsef/Fenadsef

Share With:

andrade@sintrafesc.org.br

Sem comentários

Deixe um comentário