a
HomeNotíciasCulturaServidores da Cultura farão força tarefa no Congresso Nacional contra MP 850

Servidores da Cultura farão força tarefa no Congresso Nacional contra MP 850

Depois de três dias de debates, servidores da Cultura aprovaram um calendário de atividades, que vai desde visita a parlamentares até um seminário amplo com a sociedade civil para discutir um projeto de cultura para o país

 

Três dias de intensos debates e a esperança de fortalecimento da cultura no Brasil. Esse foi o sentimento que ficou nos servidores federais desse setor, que participaram, dias 27, 28 e 29 de novembro, do Seminário Nacional dos Servidores da Cultura, em Brasília. Agora, eles têm a difícil tarefa de convencer o Congresso Nacional a derrubar a Medida Provisória (MP) 850, que propõe a extinção do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e a criação de uma agência de caráter privado para administrar os museus nacionais. A expectativa é que a matéria entre em votação antes do dia 17 de dezembro, quando o Congresso encerra os trabalhos legislativos e dá início ao recesso.

Na manhã desta quinta – último dia do seminário -, os servidores da Cultura fizeram uma análise de conjuntura e aprovaram um calendário de atividades, que já começa semana que vem. Os servidores farão uma força tarefa no Congresso Nacional para pressionar os parlamentares a derrubarem a MP 850.  Foi aprovada também a realização de uma grande conferência, no ano que vem, para discutir e aprovar um projeto de cultura para o país, com a participação de artistas e profissionais do setor e da sociedade civil organizada.

À tarde, uma comissão formada por servidores e profissionais da cultura participou de várias reuniões com lideranças partidárias da Câmara e do Senado. A comissão expôs o perigo de entregar a gestão dos museus à iniciativa privada com interesses comerciais. A Condsef/Fenadsef e outras entidades da sociedade civil insistiram na defesa do fortalecimento do Ibram, mas há resistência entre alguns parlamentares, que até defendem a manutenção do Ibram mas concordam com a criação da Agência Brasileira de Museus (Abram), alegando ser uma alternativa de captação de recursos para a manutenção dos museus.

“Foram três dias de importantes debates. Temos que fazer uma frente em defesa da cultura, com a participação da sociedade civil organizada, e criar uma frente parlamentar, como o meio ambiente faz, para construir um projeto de cultura para o país. É importante também discutir essas questões com o movimento sindical, na organização dos trabalhadores do setor. Entendemos que os servidores do Ibram estão um passo à frente no processo de mobilização em defesa de políticas públicas de cultura desse país e na defesa do Ibram”, explicou Jussara Griffo, diretora da Condsef/Fenadsef.

AUDIÊNCIA PÚBLICA

Um dos pontos fortes do Seminário dos Servidores da Cultura foi a audiência pública que aconteceu no dia 28, na Comissão Mista do Senado e Câmara Federal. A maioria das entidades que participou da audiência, entre elas a Condsef/Fenadsef, se posicionou contra a MP 850 e defendeu o fortalecimento do Ibram e o financiamento público dos museus nacionais, batendo de frente com alguns parlamentares que insistem na defender da criação da agência.

 “O governo Temer está dando mais um golpe contra a sociedade, ao tentar acabar o Ibram por conta do incêndio do Museu Nacional e por falta de verba para a manutenção dos museus. Isso não é justificativa para criar uma agência, de caráter totalmente privado, onde ela vai gerir os museus como um todo. Nós somos contrários a esse modelo de Estado, onde se tira o poder do Estado em relação aos órgãos públicos e entrega à iniciativa privada. Temer está pavimentando uma estrada para o próximo governo, que é a implantação do Estado mínimo e de privatização total dos órgãos públicos, tendo como bode expiatório o Ibram”, destaca Gilberto Gomes, diretor da Condsef/Fenadsef, que participou da audiência pública.

 

Fonte: Condsef/Fenadsef

Share With:

andrade@sintrafesc.org.br

Sem comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.