a
HomeNotíciasServidores de Florianópolis entram em greve contra Organizações Sociais na prefeitura

Servidores de Florianópolis entram em greve contra Organizações Sociais na prefeitura

Os servidores municipais de Florianópolis estão em greve desde esta tarde contra o Projeto de Lei ainda sem número que autoriza a contratação de Organizações Sociais em novas creches e na UPA do Continente. 

Os trabalhadores ainda têm como exigência pautas pendentes da negociação da data base do ano passado, como 40% de hora atividade para os professores e eleições diretas para coordenadores de unidades do serviço público. 

Pela manhã, assembleia na Comcap declarou estado de greve. 

O Sintrasem discorda que a prefeitura esteja gastando com folha de pagamento além do limite autorizado pela Lei de Responsabilidade Fiscal. E que por isso não está impedida de contratar servidores. 

A prefeitura alega que a UPA e novas creches criadas só poderiam funcionar com 700 novos profissionais contratados atrás de Organizações Sociais. 

“Nosso principal trabalho amanhã é não comparecer aos locais de trabalho”, disse o presidente do Sintrasem, René Marcos Munaro. 

Na pressão  

Os servidores ainda farão mobilização on line para pressionar os vereadores a não votarem pelo regime de urgência solicitado pelo Executivo. 

Para isso, o Sintrasem divulgou os contatos dos vereadores. Munaro pediu poderão educação na pressão. 

“Esta não é uma greve por salário. É um compromisso com a maioria oprimida na cidade. É uma greve para defender o serviço público”, disse o presidente. 

 

Fonte: Desacato

Share With:

andrade@sintrafesc.org.br

Sem comentários

Deixe um comentário