a
HomeNotíciasAposentadoriaServidores se comprometem com novo ato em defesa da Previdência

Servidores se comprometem com novo ato em defesa da Previdência

No próximo 12 de julho, população mais uma vez irá às ruas contra a PEC 6. No Congresso, pressão, resistência e desarticulação do governo seguram proposta na comissão especial e Maia chantageia salário de servidores

 

Centrais sindicais deliberaram, na última sexta-feira, 28, por novo ato contra a reforma da Previdência, realizado em conjunto com a União dos Estudantes do Brasil (UNE), em defesa da educação pública. Além do ato nacional em Brasília no próximo 12 de julho, a Condsef/Fenadsef orienta aos servidores que se mobilizem em seus estados e cidades, coletando assinaturas para o abaixo-assinado contra a reforma da Previdência, que será entregue ao Congresso Nacional no dia 13 de agosto, pela Central Única dos Trabalhadores.

O Secretário-geral da confederação filiada à CUT, Sérgio Ronaldo da Silva, diz que a luta não está ganha e que os servidores devem permanecer unidos e fortes contra esta reforma nefasta. “Nós entendemos que alterações previdenciárias são necessárias, mas não é nos moldes propostos pelo governo que encontramos a melhor solução, pelo contrário. Paulo Guedes não estudou nada, não entende nada de governo público. Ele quer operar o Brasil como se fosse um de seus bancos, em que pode mandar e desmandar nos trabalhadores, sem garantir respeito e dignidade. Mas ele está muito enganado”, comentou.

“Os servidores federais têm sido exemplo de sensatez nessa batalha, porque somos diversos e muitos votaram em Bolsonaro, mas parece haver uma unidade de consciência grande sobre a preciosidade do nosso sistema previdenciário. Como somos nós os responsáveis por proteger o patrimônio público, estamos comprometidos com a luta do dia 12 e de todos os dias seguintes, até derrotarmos a PEC 6. Não aceitaremos chantagem”, reforçou.

Sérgio Ronaldo responde a uma provocação do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Nesta segunda-feira, o parlamentar declarou que se o sistema não for reestruturado, os servidores vão ficar sem capacidade de receber seus salários por falta de recursos. Desde que foi entregue a PEC 6, o argumento de falência da Previdência Social tem sido cada vez mais derrubado por economistas.

Barricadas

A mobilização crescente organizada pelos movimentos sindicais e sociais tem sido eficaz no objetivo de barrar a votação. Pela vontade do governo, a proposta já deveria ter sido aprovada a esta altura. “O parlamentar que escuta sua base não tem coragem de votar uma matéria dessa, porque sabe que a população está contra essa reforma. Quem votar a favor não volta nas próximas eleições”, complementou, Sérgio Ronaldo.

O próprio governo parece que também tem se empenhado em ser sua própria oposição. Não bastassem os diversos atos de protesto contra a reforma de Paulo Guedes, membros do governo e parlamentares de apoio se contradizem entre si com relação a pontos polêmicos, como a inclusão ou não de estados e municípios na proposta. O relator da comissão especial, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), por exemplo, declarou no início do trabalho que incluiria servidores estaduais e municipais, mas o texto substitutivo os deixou de fora, o que fragiliza o governo.

Sob afirmação de Bolsonaro de que não iria ajudar no diálogo com governadores e prefeitos, Rodrigo Maia tem alfinetado o presidente da República. “O presidente tem papel nisso porque ajuda e o Parlamento comanda a votação, mas é uma participação coletiva”, comentou. Diante das polêmicas e da pressa do governo em votar esta reforma o mais rapidamente possível, Maia deu prazo limite para reinclusão ou não de estados e municípios até amanhã, terça-feira.

Trâmites na Câmara

A discussão sobre estados e municípios marca também a pauta de reunião que Maia terá com os governadores e com o relator, Samuel Moreira, nesta terça. Após o encontro, Moreira deve apresentar uma complementação de voto na comissão especial. A expectativa de Maia é que o parecer seja votado na quarta-feira, 3, para que, na semana seguinte, comece a discussão no Plenário. A Condsef/Fenadsef, entretanto, juntamente com centenas de entidades sindicais e movimentos da sociedade civil, é contra votação da proposta no primeiro semestre e reforça necessidade de resistência e mobilização até que a PEC 6 seja totalmente derrubada.

 

  • Informações: CUT e Agência Câmara

Fonte: Condsef/Fenadsef

Share With:

andrade@sintrafesc.org.br

Sem comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.