a
HomeCovid-19Treze regiões de SC estão em nível grave ou gravíssimo de risco para Covid-19; veja quais são

Treze regiões de SC estão em nível grave ou gravíssimo de risco para Covid-19; veja quais são

A graduação de risco da contaminação por coronavírus para as regiões de Santa Catarina, divulgada semanalmente pelo Governo do Estado, “pintou” o mapa de laranja, que indica nível grave. Das 16 regiões em que foi dividido o Estado, 12 estão nesse patamar. E uma, a Foz do Itajaí-Açu, está em nível gravíssimo, o mais alto grau de risco do levantamento.

A mudança foi repentina, e confirma a aceleração da transmissão do novo coronavírus nas cidades catarinenses. No mapa da semana passada, apenas três regiões estavam em nível grave de risco – Xanxerê, Nordeste (região de Joinville) e Foz do Itajaí-Açu.

Esta semana, a Foz do Itajaí-Açu agravou, Xanxerê e Nordeste se mantiveram em nível grave, e se juntaram a elas as regiões do Extremo Sul, Carbonífera, Laguna, Grande Florianópolis, Médio Vale do Itajaí, Alto Vale do Itajaí, Alto Vale do Rio do Peixe, Meio Oeste, Oeste e Alto Uruguai Catarinense.

Ficaram em amarelo o Planalto Norte, a Serra Catarinense e o Extemo Oeste, que estão em nível alto de risco.

Mapa de risco para Covid-19

Mapa de risco para Covid-19 (Foto: Governo de SC, Divulgação)

Em um mês, o número de casos de Covid-19 e de óbitos deu um salto em Santa Catarina. Em comparação com o dia 25 de maio, a quantidade de pacientes confirmados com coronavírus mais do que triplicou: eram 6,8 mil, e agora são 20,9 mil. Um aumento de 207%. A quantidade de óbitos mais do que dobrou. De 109, em 25 de maio, são hoje 279. O salto foi de 155%.

O mapa com a graduação de risco, emitido pelo Governo de Santa Catarina, acompanha uma série de recomendações às regiões, que, segundo a Secretaria de Estado da Saúde, são enviadas semanalmente às prefeituras. Quando o risco é grave – como a maior parte do Estado, a lista de recomendações inclui desestimular e usar meios para diminuir atividades que causem aglomeração, avaliar riscos e benefícios da manutenção de atividades, e adotar critérios para suspender atividades que aumentem o risco de transmissão.

Na classificação de risco gravíssimo, como é o caso da Foz do Itajaí-Açu, as recomendações incluem o controle de entrada e saída dos municípios, e a suspensão de atividades que tragam maior risco de contaminação por um período de 14 dias.

O material divulgado pelo Governo de Santa Catarina não indica quais são as atividades que causam maior risco de transmissão, e que são prioritárias para fechamento em regiões onde o nível de risco é mais alto.


  • Capa: Calçadão da Conselheiro Mafra, em Florianópolis/Foto: Bem-te-vi, SSP-SC

Fonte: Dagmara Spautz, NSC

Share With:

andrade@sintrafesc.org.br

Sem comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.