a
HomeNotíciasEm meio à pandemia, Ministério da Saúde perde 5,1 mil servidores

Em meio à pandemia, Ministério da Saúde perde 5,1 mil servidores

Pasta representa, sozinha, 24,1% do total de aposentadorias no funcionalismo público federal

 

Desde o início da pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, em março de 2021, o Ministério da Saúde perdeu 5.181 servidores. As vacâncias foram motivadas por aposentadorias.

Os dados fazem parte de um levantamento do Metrópoles, com base em dados do Painel de Estatística de Pessoal (PEP), plataforma alimentada pelo Ministério da Economia.

De acordo com informações do painel, o Ministério da Saúde representa, sozinho, 24,1% do total de aposentadorias no funcionalismo público federal. A Região Nordeste foi a que mais teve trabalhadores públicos aposentados.

Ao todo, o governo federal registrou 6.115 aposentadorias até agora em 2021. No ano passado inteiro, foram 14.148. O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e o Ministério da Economia completam o ranking do órgãos que tiveram mais desligamentos.

A maior parte das inatividades registradas no Ministério da Saúde, 91,6%, foram voluntárias, ou seja, o servidor optou por se aposentar. Neste cenário, 1.353 fizeram essa escolha.

O secretário-geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), Sérgio Ronaldo da Silva, reclama da não reposição de servidores, o que para ele desestrutura o órgão.

O sindicalista explica que o governo federal tem feito poucos concursos, e, com isso, as vacâncias não estão sendo preenchidas.

“Lamentavelmente, esse é o retrato de toda a administração pública. Neste momento de pandemia, o Ministério da Saúde deveria estar dando resposta à altura. O ideal é que essas vagas fossem supridas com novos concursados para substituir quem está saindo”, defende.

Sérgio Ronaldo conta que cerca de 40% dos servidores que se aposentam nos órgãos públicos não estão sendo substituídos.

Metrópoles questionou o Ministério da Saúde sobre o número de servidores atual, a quantidade que seria ideal e se existe alguma carreira que mais apresenta déficit.

—————————————————————————————————————————————–
  • Capa: Rafaela Felicciano, Metrópoles

Fonte: Otávio Augusto, Metrópoles

Share With:

andrade@sintrafesc.org.br

Sem comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.