a
HomeNotíciasGovernoGoverno Bolsonaro adiou anúncio sobre alta de desmatamento para maquiar de verde sua imagem na COP26

Governo Bolsonaro adiou anúncio sobre alta de desmatamento para maquiar de verde sua imagem na COP26

A divulgação dos dados do PRODES sobre o desmatamento na Amazônia, que mostram a explosão da devastação da floresta no último ano, já seria constrangedora por si só – afinal, o aumento de 22% no ritmo de devastação é um atestado de fracasso retumbante. No entanto, para o governo Bolsonaro, constrangimento nunca é demais: para quê se envergonhar só com o fracasso quando você também pode se queimar pela falta de transparência?

O relatório do INPE que confirmou os dados do PRODES é datado de 27 de outubro, anterior portanto à abertura da Conferência do Clima de Glasgow (COP26). O governo Bolsonaro só divulgou a informação no último dia 18, quase uma semana após o encerramento do encontro. Durante a COP, o ministro Joaquim Leite foi inquirido repetidas vezes pela imprensa sobre o atraso na divulgação dos dados do PRODES e se ele já sabia desses números. O chefe do meio ambiente, que também encabeçou a delegação brasileira em Glasgow, assegurou que não tinha conhecimento da informação na época da Conferência.

Fontes consultadas pela Associated Press, no entanto, contestaram a negativa de Leite e reforçaram que o governo sabia dos dados desde antes da COP e optou por escondê-los para não prejudicar o esforço publicitário de Brasília em Glasgow. De acordo com a agência de notícias, a decisão de protelar o anúncio e esconder os dados na COP foi tomada em reunião com o próprio Bolsonaro no Palácio do Planalto. Folha e g1 também repercutiram a informação.

Em coletiva na noite do dia 18, Joaquim Leite voltou a afirmar que desconhecia os dados do INPE à época da COP. “Eu tive contato com o dado hoje, exatamente como vocês devem ter tido acesso”, disse para os jornalistas. Ele também afirmou que o governo deverá agir “de forma contundente contra qualquer crime ambiental”, de maneira a conter o avanço da devastação na Amazônia. Ao mesmo tempo, ele tentou fugir da responsabilidade ao dizer que a alta no desmatamento neste ano “não reflete a atuação do governo nos últimos meses”, jogando a maior parte da culpa nas costas de seu antecessor na pasta. O g1 destacou a negativa do ministro e a reação dele aos dados do INPE.

Outro que negou saber dos dados do INPE com antecedência foi o general-vice Hamilton Mourão, que também chefia o Conselho da Amazônia. Ele também relativizou a destruição registrada na Amazônia. “Sem desfazer dos números, que obviamente não são bons, a gente tem que olhar o tamanho da Amazônia. [Ela] tem 5 milhões de km2. Então, se nós tivemos 13 mil km2 de desmatamento, isso dá 0,23% da Amazônia que teria sido desmatada”, disse Mourão, como se a destruição da floresta tivesse começado em agosto de 2020. EstadãoFolhag1 e O Globo repercutiram as desculpas esfarrapadas do general-vice.

Em tempo: BBC Brasil e g1 mostraram a repercussão internacional da alta de 22% no desmatamento na Amazônia. Financial TimesGuardianNY Times e Washington Post deram destaque ao fato do índice ser o maior desde 2006. Já a Reuters observou que esses números devem intensificar a pressão internacional sobre o governo Bolsonaro, especialmente depois de suas promessas de proteção florestal feitas durante a COP26. Associated PressBBC e Wall Street Journal também destacaram a notícia.


 

Fonte: ClimaInfo/Racismo Ambiental

Share With:

andrade@sintrafesc.org.br

Sem comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.