a
HomeNotíciasCampanha SalarialReajuste para 2023? Vai depender do novo presidente do Brasil

Reajuste para 2023? Vai depender do novo presidente do Brasil

Importante destacar que este é o único governo dos últimos vinte anos a não aplicar nenhum percentual de reposição salarial aos servidores públicos em seus quatro anos de mandato. Até o final desse ano as perdas da categoria devem superar os 32%

 

A menos de duas semanas do segundo turno das eleições presidenciais é preciso que os servidores públicos federais tenham consciência da importância do seu voto para o futuro do país, inclusive do próprio serviço público. Falando nisso, existe uma previsão orçamentária para o reajuste da categoria em 2023, que só será de fato concretizada se o próximo presidente, a ser eleito no dia 30 deste mês, assim quiser. 

É importante lembrar que os servidores públicos federais não tiveram reajuste algum nos quatro anos do atual governo. Há um bom tempo o governo ventilou, na imprensa, a possibilidade de conceder 5% de aumento linear para todo o funcionalismo federal. Mas o presidente acabou voltando atrás e nenhum reajuste foi concedido. Agora, os recursos destinados para o Orçamento de 2023, a um possível reajuste da categoria, mal devem conceder uma recomposição de 4%. 

Mesmo se fosse 5%, o valor não recompõe sequer as perdas inflacionárias dos últimos quatro anos. É imoral. O governo federal estaria reservando apenas R$ 12 bilhões para os servidores. Segundo técnicos do próprio Ministério da Economia, seriam necessários R$ 25 bilhões para garantir algo em torno de 5% linear ao funcionalismo.

Em janeiro deste ano, os representantes dos trabalhadores solicitaram o percentual de 19,99%, referente aos primeiros três anos do atual governo, mas até o final deste ano essas perdas devem superar os 32%.

Importante destacar que este é o único governo dos últimos vinte anos a não aplicar nenhum percentual de reposição salarial aos servidores públicos em seus quatro anos de mandato. O servidor deve lembrar, ainda, que o último reajuste que ele recebeu foi concedido devido a um acordo realizado no governo da ex-presidenta Dilma Rousseff, há mais de cinco anos. Desta forma, os  salários dos funcionários públicos federais sofreram uma grande desvalorização.

PEC 32

O atual governo também quer aprovar a PEC 32, que irá promover o desmonte do setor público brasileiro com o objetivo de repassar seus serviços para a iniciativa privada. O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP/AL), maior aliado do governo no Congresso, já declarou que quer retomar ainda esse ano a votação da reforma Administrativa.  

‘Discordo Totalmente’

E a Câmara dos Deputados abriu consulta pública para que a população se manifeste sobre a Reforma. Os servidores públicos podem acessar a enquete AQUI para votar em ‘Discordo Totalmente’ da PEC 32/20. É importante que todos participem desta votação e digam não à PEC 32. 


  • Capa: Lucas Miranda por Pixabay

Fonte: Sindsep-PE

Share With:

andrade@sintrafesc.org.br

Sem comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.