a
HomeNotíciasGovernoSenado aprova MP da privatização da Eletrobras, que pode resultar em aumento na conta de luz

Senado aprova MP da privatização da Eletrobras, que pode resultar em aumento na conta de luz

Projeto desfigurado por “jabutis”, o apelido dos enxertos no texto alheios ao tema principal, passou com votação apertada e será analisado novamente pela Câmara na próxima segunda. Especialistas reclamam de interferência indevida do Legislativo no sistema de energia

 

Senado Federal aprovou na noite desta quinta-feira a medida provisória que permite a privatização da Eletrobras, a estatal brasileira responsável por cerca de 40% da transmissão e de 30% da geração de energia do país ―é a maior empresa do setor elétrico na América Latina. O projeto aprovado pelos senadores terá um custo entre 40 e 66 bilhões de reais aos cofres públicos, de acordo com um grupo de 45 entidades do setor energético e industrial. E os ganhos seriam de 61 bilhões de reais. Estas instituições, que se agregaram no movimento Unidos pela Energia, estimam que o valor da conta de luz ao consumidor final deverá ter reajuste de cerca de 10%. O Governo Jair Bolsonaro, por sua vez, diz a conta irá baratear, mas não apresentou dados que comprovem em quanto seria esta redução. Antes das últimas mudanças na medida provisória a conta era de que a diminuição seria de aproximadamente 7%.

A sinal verde do Senado foi aprovado com o placar de 42 votos a favor e 37 contrários. Apesar do resultado apertado, foi uma vitória para o Governo Bolsonaro e para o ministro da Economia, Paulo Guedes, que desde o começo do mandato vende a investidores um ambicioso plano de privatizações, que ainda não decolou. Partidos que votaram contra, como o PT e o Podemos, deverão recorrer ao Judiciário por entenderem que não havia requisitos constitucionais para a tramitação da proposta, como a urgência necessária para a edição de uma medida como esta.

Entre os críticos à medida, a avaliação era de que o projeto era metade liberal, metade intervencionista. Ao mesmo tempo em que autoriza que a União reduza sua participação na companhia de 61% para 45% das ações, ela delimita uma espécie de reserva de mercado para usinas térmicas ―a mais poluente e mais cara― em regiões onde a rede de gasodutos é inexistente ou escassa, como no Norte, no Nordeste e no Centro-Oeste. “É um monstro”, definiu o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE).

Apenas para efeito de comparação, o megawatt/hora de energias renováveis, como solar e eólica, custa em torno de 100 reais. A das termelétricas, entre 320 e 350 reais. “As premissas usadas pelo Governo de que haverá barateamento foram erradas. Só de se usar termelétricas é possível concluir que a energia ficará mais cara”, diz o coordenador do Instituto Clima e Sociedade, Roberto Kishinami. A conta desse reajuste só aparecerá, contudo, daqui a três ou quatro anos, quando as térmicas entrarem em operação. “Até lá, as pessoas já até se esqueceram o que foi decidido hoje”, ponderou o pesquisador e ex-presidente do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) Luiz Eduardo Barata.

O texto aprovado no mês passado pela Câmara já havia sofrido resistências do setor elétrico e de representantes de consumidores. No Senado a avaliação foi que houve um retrocesso ainda maior. “Piora o que já era ruim e prevê novos custos aos consumidores brasileiros”, disse em nota a União pela Energia. Ao EL PAÍS, um dos porta-vozes do grupo, Filipe Soares, afirmou que o texto inicial da MP tinha bons argumentos, mas isso foi desconstruído no Congresso. “Ficamos estarrecidos com o que foi aprovado na Câmara e com o que o Senado está mudando. Botar termelétrica na região Norte é desnecessário. É uma região que tem mais geração de energia do que consumo”, afirmou.

No parecer que foi aprovado pelo Senado, o relator Marcos Rogério (DEM-RO) manteve a obrigatoriedade de se contratar 6.000 megawatts de usinas de gás natural. O gasto com energia térmica acabará crescendo ainda mais no país. No mês passado, a Aneel autorizou um aumento na cobrança da energia por conta do baixo nível dos reservatórios em decorrências das poucas chuvas nas regiões Sudeste e Centro-Oeste. “Com a capitalização vamos devolver a Eletrobras a sua capacidade de investimento”, defendeu Rogério.

Na avaliação de especialistas, as mudanças na MP demonstraram uma interferência do Legislativo em um setor que depende de planejamento e é regulado constantemente. “Não é razoável que o Legislativo faça planejamento do setor de energia no país”, ponderou o pesquisador Barata. Uma emenda apresentada pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), ainda determinou que o presidente do ONS, que é uma associação privada, sem fins lucrativos, tem de ser sabatinado pelo Senado.

A inclusão deste assunto na MP que tratava da privatização da Eletrobras é mais um exemplo de temas externos que acabaram sendo debatidos fora do contexto inicial do projeto. “Houve uma quebra na estrutura de governança do sistema”, analisou a diretora-executiva do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), Teresa Liporace.

Uma síntese sobre a quantidade de assuntos externos aprovados foi tamanha que líder da bancada feminina no Senado, Simone Tebet (MDB-MS), resumiu assim a sessão desta quinta-feira em suas redes: “Está passando a boiada inteira na MP da Eletrobrás. A fauna é completa: tem boi na linha, jabuti na árvore, bode na sala, dose pra elefante e teimoso como mula. Mas o que mais tem é lobo em pele de cordeiro. A verdade é que milhões de brasileiros vão “pro brejo’ por conta do aumento da conta”. Na mesma linha seguiu o coordenador do programa de energia e sustentabilidade do Idec, Clauber Leite. “Falou-se de tudo hoje, menos de privatização da Eletrobras.


 

  • Capa: O senador Rodrigo Pacheco diante de telão com o senador Marcos Rogério, durante a votação da MP da Eletrobrás/ Pedro França, Ag. Senado 

Fonte: Afonso Benites, El País

Share With:

andrade@sintrafesc.org.br

Sem comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.