a
HomeNotíciasServidores debatem agenda prioritária para resgate dos serviços públicos

Servidores debatem agenda prioritária para resgate dos serviços públicos

Próximas semanas serão marcadas por debates que vão definir uma pauta unificada que assegure a retomada de políticas públicas para população

 

A Condsef/Fenadsef participa nas próximas semanas de uma agenda que vai debater e definir uma pauta unificada e prioritária que assegure a retomada de políticas e o resgate dos serviços públicos brasileiros. Nessa sexta-feira, 11, a Confederação participa de reunião do Fonasefe, fórum que representa o conjunto de servidores dos Três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário). O objetivo é construir um documento único que será entregue à equipe de transição do governo Lula. As entidades vão registrar um raio-x da situação atual de desmonte promovida e aprofundada nos últimos quatro anos. O levantamento tem como objetivo ajudar a pensar caminhos e saídas para o futuro dos serviços públicos garantidos pela Constituição Federal. 

A agenda da Condsef/Fenadsef tem ainda reunião na sexta que discute detalhes do acórdão publicado que garante 11% de reajuste com retroativos a partir de março desse ano a empregados e empregadas da Ebserh. Na quinta e sexta da próxima semana a Confederação realiza encontro presencial do seu Conselho Deliberativo de Entidades (CDE) onde deve também estabelecer ações prioritárias para os próximos meses. A atenção inclui acompanhar as movimentações em torno da PEC 32/20, da reforma Administrativa de Bolsonaro-Guedes.

É prioridade seguir lutando para que a proposta de reforma Administrativa não seja colocada em pauta de votação no Congresso Nacional. Além de buscar o arquivamento da PEC 32, servidores querem discutir a revogação do Teto de Gastos (EC 95/16) que impede investimentos públicos no Brasil e vem gerando retrocesso e impactos negativos nos direitos da população.

“Os servidores estão com olhar para o futuro. Queremos o resgate dos serviços públicos com retomada de negociações e a recuperação do que foi destruído com decisões monocráticas do atual governo que vai chegar ao fim esse ano”, pontuou o secretário-geral da Condsef/Fenadsef, Sérgio Ronaldo da Silva. O “revogaço” e a “desmilitarização” já sinalizados pelo presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, são considerados fundamentais nesse processo de reestruturação do setor público.

“Queremos e vamos seguir lutando por mais concursos, mais investimentos públicos e valorização dos servidores. Nesse contexto vamos pautar também a necessidade de uma reposição emergencial para o funcionalismo, a maioria há mais de seis anos com salários congelados”, reforçou Sérgio. Vale lembrar que só no período de governo Bolsonaro, único nos últimos vinte anos a não conceder qualquer percentual de reposição aos servidores, as perdas acumuladas vão superar os 32%. 


 

Fonte: Condsef/Fenadsef

Share With:

andrade@sintrafesc.org.br

Sem comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.